Participação Popular na Conservação do Cerrado e Pantanal

Início » Programa Conservação da Biodiversidade » Participação Popular na Conservação do Cerrado e Pantanal

Projeto Político Pedagógico (PPP) de Educação Ambiental da Área de Proteção Ambiental Cabeceiras do Rio Cuiabá e do Parque Estadual Águas do Cuiabá – Mato Grosso

A participação popular e o envolvimento de lideranças comunitárias, é fundamental para o processo de conservação de ambientes naturais. O Cerrado brasileiro e o Pantanal são biomas de extrema importância, pois são parte do equilíbrio hidrológico do país, abrigando uma vasta e diversa  fauna e flora.

A partir de processos de educação ambiental crítica, surge a parceria entre a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA)/Superintendência de Educação Ambiental e Atendimento ao Cidadão (SUEA) do Estado de Mato Grosso e o FunBEA que, com o apoio do Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MP-MT), vem desenvolvendo,  desde 2021, o processo participativo de construção do Projeto Político Pedagógico (PPP) de Educação Ambiental (EA)  da Área de Proteção Ambiental Cabeceiras do Rio Cuiabá (APACRC) e do Parque Estadual Águas do Cuiabá (PEAC).

O projeto abrange  6 municípios do estado de Mato Grosso: Rosário Oeste, Nobres, Santa Rita do Trivelato, Nova Brasilândia, Chapada dos Guimarães e Planalto da Serra. Coordenado por um conselho com 22 instituições governamentais e da sociedade civil locais, o processo participativo prevê a construção de um plano de manejo das áreas naturais, sob o olhar de moradores e pessoas que atuam nas cidades envolvidas.

Desde 2021 já ocorreram 5 ciclos de diálogos, buscando a compreensão da importância do PPP como instrumento de gestão e implementação da educação ambiental em UCs, dos conceitos que permeiam este processo, assim como atividades específicas para o início do diagnóstico participativo da realidade local.

O projeto ainda pretende dar continuidade nos diálogos com os atores locais, com a identificação da percepção, demandas socioambientais e compreensão da realidade local a partir dos olhares desses públicos para formatar o instrumento de gestão dessas Unidades de Conservação.

“Política Pública para proteção de unidades de conservação através do reconhecimento dos saberes  locais, fortalecimento de movimentos socioambientais e diagnóstico dos problemas que precisam ser enfrentados.”