DATA ADIADO
LOCAL Centro Cultural Patrícia Galvão – Santos

Independente de crenças, classes, visões sociais, partidos políticos ou qualquer outra categoria que possamos nomear, a necessidade de água é comum a todos e todas.

Há alguns anos temos ouvido constantemente que é preciso “preservar a água do planeta”. Cuidar dos corpos d’água, dos “recursos hídricos”. A questão da falta de água nas grandes cidades, por exemplo, se agrava mais e mais, e esse mantra de preservação, começa então a fazer sentido para muitos, que com a falta deste bem, passaram a entender o seu importante significado.

Levantar possibilidades, experiências e enfrentar as questões críticas com o objetivo de contribuir com soluções, é o nosso desafio. Tomar parte dos temas que rondam essas discussões é uma responsabilidade de todos nós, os usuários racionais deste bem tão precioso.

Nós, humanos, mapeamos, sistematizamos e gerenciamos os rios, as fontes, as cachoeiras, os mananciais de água doce e também os mares. Tudo em nome do objetivo de proteger e distribuir água para todos. Mas será mesmo que estamos conseguindo fazer isso?

Com o objetivo de engajar a sociedade para fazer um pacto de conservação e cuidado com as águas da Baixada Santista, é que nasce o Fórum Pacto Pelas Águas. Sua principal missão é aprofundar, compartilhar e democratizar as políticas públicas implementadas pelo Comitê da Bacia Hidrográfica da Baixada Santista e outros atores envolvidos com a temática das águas na região. O evento será, coordenado por nós, FunBEA – Fundo Brasileiro de Educação Ambiental, em parceria e apoio dos recursos do FEHIDRO – Fundo Estadual de Recursos Hídricos, que objetiva o fortalecimento da formulação e execução de políticas públicas da área socioambiental no país, em especial das de Recursos Hídricos e Educação Ambiental.

Junte-se a nós e venha propor o seu Pacto Pelas Águas

#pactopelaságuas
#EducaçaoAmbientalparatodos
#FunBEA
#ComitêdaBaciaBaixadaSantista

Parceiros

O FunBEA é um fundo privado de interesse público, que tem como missão captar e aportar recursos estratégicos para o fomento de ações estruturantes no campo da educação ambiental.

Trabalhando em consonância com políticas públicas vinculadas à Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) e demais políticas do campo socioambientais, buscamos o enraizamento da educação comprometida com processos participativos e sustentáveis.

Temos como premissa fomentar, articular e formar grupos multisetoriais que trabalham com projetos de mobilização e capacitação nas diferentes temáticas voltadas ao desenvolvimento integrado e sustentável do planeta.

Criado em 1995, o Comitê da Bacia Hidrográfica da Baixada Santista – CBH-BS é um espaço de tomada de decisão sobre o desafio e a proteção das águas na Baixada Santista: O Parlamento das Águas.

Em conjunto, representantes dos setores público, privado e das organizações da sociedade civil atuam por meio do Comitê na gestão dos recursos hídricos tendo a bacia hidrográfica como unidade de gerenciamento.

Sua área de atuação abrange os municípios de Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente, os quais formam a Região Metropolitana da Baixada Santista e possuem, em conjunto, uma área de 2.422,776 Km², com 82 praias, 120km² de mananciais preservados e 2.213km² de remanescentes florestais.

Entre suas principais funções o CBH-BS é responsável por elaborar e acompanhar a execução do Plano de Bacias Hidrográficas, documento que reúne o conjunto de ações, metas e programas de investimentos para garantir a utilização, recuperação, conservação e a proteção dos recursos hídricos até 2027, com previsão de revisão de suas ações a partir de 2020.

Área de atuação

82 praias
162.5 km de extensão
120 km² e manguezais preservados
2.213 km² de remanescentes de florestas

Programação

Nas duas primeiras semanas de março, as atividades do Fórum acontecerão nas regiões sul e norte da Bacia Hidrográfica da Baixada Santista, com mesas e debates, além da programação cultural em Itanhaém e Bertioga.

Nos dias 19 e 20 de março, as atividades se concentrarão em Santos, no Centro Cultural Patrícia Galvão.

ADIADO
9h às 16h

Credenciamento e informações sobre o evento

9h às 12h30

Café Compartilha

Temas das mesas

  1. Universalização do Abastecimento de Água e Saneamento
  2. Água doce –proteção das nascentes e restauração florestal
  3. Educação Ambiental e Comunicação
  4. Poluição Difusa, lixo nos oceanos e resíduos sólidos
10h às 12h

Financiamento de projetos Fehidro/MROSC Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

15h

Show OssoBanda

14h às 14h30

Sessão de Cinema Infantil (Abuela Grillo + Amigo Rio)

16h às 16:30

Sessão de Cinema Infantil (Abuela Grillo + Amigo Rio)

14h30 às 16h

Mesa de Abertura: Governança da Água

16h30 às 18h

Mesa: Intrusão Salina: interface entre rio e mar

9h às 14h

Credenciamento e informações sobre o evento

9h às 12h30

Mesa: Saneamento Já!

14h às 16h

Dinâmica Vozes do Pacto – Espaço aberto com blocos temáticos

14h às 17h

Construção do Pacto pelas águas da Baixada Santista

15h às 17h

Sessão do filme “Detox SP”

18h às 19h

Teatro: De gota em gota é o Fim

Vozes do Pacto

“Estou aqui para falar como moradora de comunidade. O que é falar do comitê, água, Sabesp? Se isso não chega na minha comunidade. Saneamento Básico? O que que é saneamento básico? Tem uma vala escorrendo lá na minha porta.”

Maria Eduarda, moradora do bairro Quarentenário, São Vicente.

“Não dá pra não ser um SER POLITIZADO”

Semíramis, FunBEA.

“Se toda população se juntasse faria a diferença. Nós estamos aqui, mas os outros?”

Rafaela, Instituto Relfe.

“É muito importante a participação e o engajamento de todos sobre os recursos hídricos aqui na Baixada Santista.”

Ricardo, CBH-BS.

“Já fiz o meu Pacto pela Água quando abracei o Rio Itapanhaú. Foi um divisor de águas na minha vida. A maior parte do consumo de água vem das empresas e eles pagam menos do que a gente. Utilizam muita água e pagam pouco. Vcs acham isso correto?”

Rafael, facilitador do grupo de voluntários do Greenpeace Bertioga.

“Trazer a poesia para a juventude. Água é vida. Falar dos rios, dos grandes, até os pequenos.”

Mainan, Câmara Técnica de Educação Ambiental e Divulgação do CBH-BS.

“Precisamos sair do raso no discurso sobre sustentabilidade.”

Geraldo, ativista ambiental.

“É importante que os diálogos componham com atitudes. Gostar apenas, não dá. Deve estar no grupo e fazer a diferença.”

Claudia, Câmara Técnica de Educação Ambiental e Divulgação do CBH-BS.

“Trabalhar da forma que a gente mais gosta. Com arte, comunicação e com alma.”

Sylvio Ayala, Libertina Arte e Comunicação.

“Eu queria alertar sobre a questão das palafitas, que devemos olhar o outro lado, não só o lado do invasor, mas da pessoa que tem família, que não está lá por que quer, mas porque não tem aonde ir. Morar na palafita não é uma opção, é não ter como ir pra outro lugar.”

Didi Duarte, Sociedade Melhoramentos Jardim São Manoel.

“Santos não é para todos.”

Marquinhos, Associação Caminho da União – Santos.

“É uma oportunidade para tratar do papel do Comitê na gestão das águas.”

Sydnei – Secretário executivo do CBH-BS.

“O Fórum é uma oportunidade de aprendizado e debate sobre temas muito relevantes: crise climática, desenvolvimento sustentável e o importante papel do CBH-BS na gestão dos recursos hídricos”.

Matheus, Universidade Santa Cecília.

Oficinas

O plano de comunicação do evento, está sendo desenvolvido através de processos educomunicativos, com o objetivo de criar mensagens de preservação  através da construção artística dos participantes das oficinas culturais.

Todos os materiais produzidos durante as oficinas serão usados como ferramentas para divulgar os temas que abordaremos no Fórum.

Arte e comunicação

Marcando a abertura das atividades de construção do evento, dia 28 de novembro de 2019, foi realizada a oficina de arte e comunicação, com o intuito de desenhar a logomarca do evento, mensagens e slogans sobre a água.

A oficina envolveu mais de 20 participantes, entre crianças e jovens que participam de projetos e movimentos sociais que trabalham com temas ambientais.

O material criado coletivamente, orientou o desenho gráfico do website e a logomarca do evento.

A oficina foi ministrada pelo jornalista e artista visual Sylvio Ayala, que trabalha com articulação comunitária, formando e conduzindo grupos de diferentes idades. Na sua metodologia, procura valorizar a atuação em rede para o fortalecimento das relações e das gestões, interligando setores, ideias e pessoas. 

Sylvio trabalha com arte urbana, grafite e desenho  e trabalhou o conceito “bairro educador” na Associação Cidade Escola Aprendiz (Vila Madalena), foi gestor de projetos socioambientais no Programa Ambientes Verdes e Saudáveis (Secretaria da SaúdeSaúde /SP), e montou agência de notícias na ONG Verdescola (Barra do Sahy /SP).

Itanhaém

Ação CLean Up  + Oficina escultura

QUANDO? 11 de março de 2020


Ação Clean UP com Ecosurf

LOCAL: Praião – Itanhaém I HORÁRIO: 9:00 às 12:00


Oficina de Escultura com Rodrigo Pecci

Mesa de diálogo: Enfrentando tempestades: chuvas intensas, alagamentos e marés de lixo

MODERADORES DA MESA: Equipe FunBEA – Fundo Brasileiro de Educação Ambiental

LOCAL: Centro de Pesquisas e Educação Ambiental

ENDEREÇO: R. Dom Sebastião Leme, 195 – Itanhaém I HORÁRIO: 14:00 às 18:00

A partir de uma ação de limpeza de praia, vamos usar os materiais recolhidos (como garrafas pet, sacolas plásticas, tampinhas e todo o tipo de lixo reciclável que se encontram jogados nas praias) para a criação de peças artísticas que representem os temas discutidos no Fórum Pacto Pelas Águas da Baixada Santista.

A atividade acontecerá ao longo de um dia, com a ação de limpeza na parte da manhã, parada para almoço coletivo, e oficina de artes na parte da tarde.

A oficina será conduzida pelo artista plástico Rodrigo Pecci, pintor, escultor e gravurista, que há mais de 20 anos trabalha com reaproveitamento e reciclagem de materiais. 

Pecci, nasceu em Porto ALegre (RS) em 1976, e atualmente mora e trabalha em São Paulo (SP). Na sua trajetória, já participou de diversas exposições individuais e coletivas no Brasil e Estados Unidos. Em São Paulo foi professor de gravuras pelo Instituto Tomie Ohtake e no Centro Cultural Carlos Oswald. Foi vencedor do Prêmio Açorianos/Artes Plásticas – Destaque em Gravuras, no ano de 2008. Ilustrou dois livros do escritor Altair Martins, “A Parede no Escuro” (2009) e “Enquanto Água” (2011). Em 2012 participou em São Paulo como artista convidado do acervo da Galeria Logo com a exposição intitulada “Lista”. Também foi um dos artistas da coletiva “As Margens do Centro”, no Estúdio Lâmina.  Recentemente esteve em residência artística em New Orleans, (USA), trabalhando com escultura e pintura em materiais descartados pela cidade.

MESA DE DIÁLOGOS

“Enfrentando tempestades, alagamentos e marés de lixo”.

O encontro contou com estudos e práticas de diferentes segmentos e instituições. O pesquisador do Núcleo de Pesquisas Hidrodinâmicas da Unisanta, Renan Braga levou reflexões sobre “Ressacas na Baixada Santista: eventos recentes, impactos e sistema de previsão”, João Malavolta do Instituto Ecosurf fez análise da conjuntura do cenário local e internacional sobre poluição dos oceanos. Na área das políticas públicas o engenheiro José Augusto Mendes do DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica falando sobre “Manutenção da micro e macrodrenagem urbana” e contextualizando sobre as novas vertentes da engenharia que trabalham conceitos de renaturalização e revitalização de rios urbanos e explanando sobre a Atuação da Defesa Civil da região, estará presente o coordenador de Defesa Civil de Itanhaém, Edgard da Silva.

Veja como foi!

Fotos de Lucas Harder

Fotos de Lucas Harder

Bertioga

Oficina animação stop motion/ Pixilation: “ Animando o lixo”

QUANDO? 13 de março de 2020

ONDE? No SESC Bertioga


Oficina animação Stop Motion/Pixelation: “Animando o lixo” com Rodrigo EBA

Mesa de diálogo: A importância da proteção do ecossistema manguezal para o enfrentamento da crise climática
Horário: 14 às 17 horas.
Mediadores: equipe do FunBEA – Fundo Brasileiro de Educação Ambiental


QUAL HORÁRIO? Das 9h às 17h, com intervalo de almoço coletivo no local.

Vamos construir coletivamente filmes de animação que apresentem histórias curtas  sobre a preservação das águas. 

Conduzidos pelo animador Rodrigo EBA, com anos de experiência em diferentes técnicas de animação, e um vasto portfólio de filmes e séries de animação, na oficina o aluno explora a animação pixilation e aprende de um jeito lúdico e divertido várias técnicas universais de animação.

A ideia é que cada participante possa utilizar o seu próprio celular, através de aplicativos gratuitos. Como os exercícios são em grupo não é problema caso alguns alunos não tenham o aparelho. O uso do próprio celular é para que o aluno saia da oficina apto a continuar explorando a animação sem depender de equipamentos e softwares profissionais e assim desenvolver sua criatividade na animação.

A animação Pixilation é uma técnica de stop motion na qual pessoas ou objetos se tornam personagens de animação. O objeto é “animado” e fotografado quadro a quadro, e a partir da imaginação e criatividade, muitas histórias podem ser contadas.

Olhando para o nosso tema central “águas da Baixada Santista”, nosso intuito é produzir materiais que possam ser divulgados em nossa rede de comunicação para fortalecer as mensagens pactuadas durante o Fórum Pacto Pelas Águas.

MESA DE DIÁLOGOS

“A importância do ecossistema manguezal para a o enfrentamento da crise climática”.

O encontro contou com estudos e práticas de diferentes segmentos e instituições. “Willian Schepis, do Instituto Ecofaxina falou sobre a “Recuperação de áreas degradadas de mangue como estratégia para a redução da poluição por plástico no mar e nas praias do litoral paulista”, a pesquisadora da UNESP Tânia Marcia Costa abordou “O que o Manguezal faz por você” ressaltando os serviços ambientais deste ecossistema e também Luis Felipe Natalio do Movimento Salve o Rio Itapanhaú com os “Avanços nos estudos da importância e ameaças dos manguezais ante a crise climática”.

Veja como foi!

Fotos de Lucas Harder

Fotos de Lucas Harder

Fique por dentro!

“A casa está afundando”

Habitantes de palafitas se equilibram em meio a água suja em Santos. Veja mais em https://www.uol/noticias/especiais/as-palafitas-de-santos.htm#a-casa-esta-afundando

Moradia irregular sem controle

Cidades da Baixada Santista não têm um mapeamento da quantidade de ocupações em áreas de preservação ambiental na região. Veja matéria completa no Jornal A Tribuna.