A abertura reúne sete estados nordestinos

A atividade é realizada pela ANPPEA – Articulação Nacional de Políticas Públicas de Educação Ambiental, com apoio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) da Bahia e parceiros locais, e tem como objetivo formar multiplicadores para o uso de uma nova plataforma nacional de monitoramento e avaliação de políticas e projetos de educação ambiental.

Reportagem – ASCOM/Bahia

Créditos de imagem: Instituto Baleia Jubarte

Na noite da última segunda-feira (25), foi realizada a abertura da Oficina de Indicadores de Educação Ambiental – Região Nordeste, no Instituto Baleia Jubarte, em Praia do Forte. Foram 63 inscritos, entre os quais educadores ambientais oriundos de cerca de 20 municípios baianos, além de formadores de sete estados do Nordeste. O curso vai até a próxima quarta-feira (27) e tem como tema “Formação de Formadores em Monitoramento e Avaliação de Projetos e Políticas Públicas de Educação Ambiental de Transição para Sociedades Sustentáveis”.

 “Construímos de forma participativa, ao longo de dois anos de trabalho pelo país, mais de 100 indicadores, dos quais 27 foram selecionados para compor a plataforma. Agora iniciamos os processos de formação de formadores, para que a ferramenta se torne conhecida e utilizada de modo a compor um banco de dados com informações espacializadas por cada região, estado e município, sobre as políticas e ações na área da educação ambiental”, explicou Maria Henriqueta Andrade Raymundo, secretaria executiva da ANPPEA e responsável pela Formação.  Segundo ela, a proposta é que a plataforma, chamada MonitoraEA, seja alimentada de forma colaborativa por todo o território brasileiro, compondo um banco de dados nacional espacializado.

Para o superintendente de Políticas e Planejamento Ambiental da Sema, Claudemir Nonato de Santana, que representou o secretário João Carlos Oliveira na mesa de abertura da oficina, a ação da Anppea fortalece a educação ambiental no Brasil. “A educação ambiental é uma área estratégica que está no foco da nova gestão da Sema. O objetivo do secretário é fortalecer essas políticas estruturantes, dando as bases necessárias para a gestão compartilhada com os municípios na área da educação ambiental”, disse.

Também participaram da abertura, o chefe de gabinete do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Welton Rocha, a diretora de Educação Ambiental para a Sustentabilidade da Sema, Simone Araújo, a coordenadora de EA, Zanna Matos, o coordenador de Educação Ambiental e de Saúde da Secretaria de Educação, Fábio Barbosa, o deputado estadual Marcelino Galo, presidente da Frente Parlamentar de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, e Paulo Roberto Meireles, secretário de Meio Ambiente do município de Mata de São João.

“É uma vitória para a Bahia, em especial para a Diretoria de Educação Ambiental da Sema, termos conseguido sediar a etapa Nordeste dessa formação, facilitando uma maior presença de representantes municipais, da sociedade civil e de gestores públicos, além de dar ao estado papel de destaque na articulação em torno da Educação Ambiental tão necessária nos dias atuais”, disse Simone Araújo, diretora da Sema. Segundo ela, os formadores da Sema que participam do curso serão responsáveis por multiplicar os conhecimentos entre gestores municipais e estaduais, técnicos do Sisema, como as Unidades Regionais do Inema e as Unidades de Conservação, comitês de bacias e demais coletivos órgãos colegiados.